Hábito de leitura


O uso frequente de bibliotecas públicas e de leitura, tradicionalmente abaixo da crítica, vem caindo ano após ano. A conclusão consta da pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, em sua terceira edição, patrocinada pelo Instituto Pró-Livro para avaliar esse hábito entre os brasileiros.


Insignificante, também, é a leitura de livros, a cada ano, constatada por essa pesquisa de âmbito nacional, traçando as linhas gerais do mercado editorial brasileiro e do acesso ao livro. Comparados às edições anteriores, os números estão em queda. Pelo último levantamento, 75% da população jamais frequentaram uma biblioteca




Este fato é sintomático. A difusão do livro, no País, se processou pela via da cultura portuguesa, numa época em que o acesso aos livros era privilégio restrito às elites. Além do mais, havia o controle sistemático da divulgação conduzido pelos tentáculos políticos e religiosos, que manipulavam a criação intelectual e vigiavam o público letrado.



O livro foi objeto de consumo restrito pelos grupos elitistas durante os séculos de colonização. Só depois se expandiu à medida que diminuía seu custo de produção. O crescimento editorial iria ocorrer durante o século XX, com a ampliação das comunidades universitárias, a diversificação dos grupos graduados e a organização das bibliotecas públicas.



Ainda assim, até hoje o Ministério da Cultura não conseguiu universalizar pelos 5.565 municípios do País a rede de bibliotecas públicas, embora se disponha a oferecer recursos técnicos e acervos atualizados para cada unidade instalada. Nesse ponto, houve algum avanço, nos últimos anos, em face da adesão ao programa das Secretarias Estaduais de Cultura, executoras da política do livro.



O programa do Livro Popular, financiando a aquisição de livros para as bibliotecas municipais, vem mudando a falta de costume para com a leitura em cidades marcadas por restrito ambiente cultural. Em parte, esse programa já não se generalizou por indiferença demonstrada pelos gestores locais. O atraso demonstra o nível de governo existente.



A pesquisa do Instituto Pro-Livro constatou queda na frequência às bibliotecas públicas municipais de 11% para 7%, entre 2007 e 2011. O universo entrevistado envolveu cinco mil consulentes distribuídos por 315 municípios. A sondagem sobre as linhas gerais do mercado editorial concluiu ser a metade da população considerada leitora. Em números, essa constatação corresponde a 88,2 milhões de pessoas. Mas a média de leitura para cada pessoa, de Quatro livros por ano, é baixa. A comercialização do livro sofre os efeitos de seu preço elevado. Há cinco anos, o mercado editorial foi beneficiado por uma desoneração tributária com o objetivo de eliminar essa barreira. A resposta, no entanto, não produziu os efeitos esperados. O preço do livro continuou elevado por conta de edições limitadas e dos poucos leitores.



As bibliotecas públicas no Brasil, apesar de número restrito de usuários, ainda é frequentada por 44,1 milhões de consulentes, a maioria com idade entre 5 e 11 anos (55%). Os homens predominam sobre o contingente feminino. No item escolaridade, 27% frequentam até a 4ª série; 27% concluíram o ensino fundamental; 24% o ensino médio; e 20% o ensino superior. Portanto, a maior demanda é por pesquisas escolares.



A formação de leitores é um projeto de longo prazo, requerendo que a escola e a família juntem esforços para convencer o jovem de que o livro não didático é uma fonte básica para a formação intelectual e definição da personalidade.


Bookmark the permalink. RSS feed for this post.

One Response to Hábito de leitura

  1. NOVO OLHAR SOBRE A MATEMÁTICA, Jornal Beira do Rio, UFPA, Abril 2011,
    www.jornalbeiradorio.ufpa.br/novo/index.php/2011/124-edicao-93--abril/1189-novo-olhar-sobre-a-matematica

    MÁRIO SERRA - ENGENHEIRO, MATEMÁTICO E AMAZÔNIDA, Jornal Beira do Rio, UFPA, Ano XXVIII Nº 120. Agosto e Setembro de 2014,
    http://www.jornalbeiradorio.ufpa.br/novo/index.php/2014/152-2014-08-01-17-25-17/1618-2014-08-04-14-34-28

    ALGUMAS MULHERES DA HISTÓRIA DA MATEMÁTICA E QUESTÃO DE GÊNERO EM C & T.
    http://sitiodascorujas.blogspot.com.br/2013/06/mulheres-na-matematica.html

    CONSTANTINO MENEZES DE BARROS I - MATEMÁTICO QUE LIGA O PARÁ/BR AOS MAIORES CENTROS DO MUNDO E COMPARÁVEL AOS GRANDES ÍCONES DA HISTÓRIA DA MATEMÁTICA (II a V não publicados, disponível por e-mail), (Óbidos-Pa, 19/08/1931, Rio de Janeiro-RJ, 06/03/1983), Ex-Docente UFF e UFRJ,
    www.chupaosso.com.br/index.php/obidos/educacao/2149-vida-e-obra-de-constantino-menezes-de-barros

    PROFESSORA SANTANA: Candidata a Melhor Docente do Ensino Básico Paraense, Blog Chupa Osso, 23 Junho 2013, www.chupaosso.com.br/index.php/obidos/educacao/2453-proessora-santana-candidata-a-melhor-docente-do-ensino-basico-paraense

    SABER MATEMÁTICO E CULTURA INDÍGENA, blogue da AICL, 20 de Setembro de 2011,
    http://coloquioslusofonia.blogspot.com.br/2011/09/saber-matematico-e-cultura-indigena.html

    ResponderExcluir

Eva Aires - 2011. Tecnologia do Blogger.

Search

Swedish Greys - a WordPress theme from Nordic Themepark. Converted by LiteThemes.com.